Arquivo do mês: novembro 2006

grandessíssimo titubeador.


Nas horas escuras que nos separam dos dedos róseas da aurora Penava minha solitude, enquanto ignoravas o meu clamor que singrava os céus por Nuvens e satélites e se traduzia em ruído eletrônico Regozijáva-se de minha súplica, tomado pela fúria … Continuar lendo

Publicado em Poesias Abstratas | Marcado com , , | 2 Comentários

da calçada.


Eu sei que te deixa chocado Me ver aqui deitado Neste chão que não é meu, Parecendo cobrar algo seu A cara suja e barbada A roupa imunda e rasgada E você se faz de indiferente Como nem mesmo fosse … Continuar lendo

Publicado em Crônicas do Cotidiano, Poesias Abstratas | Marcado com , , , | 5 Comentários