grandessíssimo titubeador.

Nas horas escuras que nos separam dos dedos róseas da aurora
Penava minha solitude, enquanto ignoravas o meu clamor que singrava os céus por Nuvens e satélites e se traduzia em ruído eletrônico

Regozijáva-se de minha súplica, tomado pela fúria
Pensando que serei capaz de lhe conceder minha indulgência

Basta!
Estou aborrecida!
Agora, meu desejo é quem não está mais presente.

Não receberás nenhum quinhão de minha atenção
Repouse em seu pranto,
Pois minha partida é iminente

Hesitou em todas as horas – ó, grandessíssimo titubeador!
Por mais repleto de pesar que estejas, teu destino será penar atendendo à todas as minhas mais fúteis vontades
Achou ser o uno, entre todos? Engana-se tremendamendamete.
Agora, pasme, tolo! Perserguirá-me para todo o sempre!

Thirap thuru, thirap thuru… ou lah ou lah…
Thirap thuru, thirap thuru… ou lah ahah…

Anúncios

Sobre bic azul

Uma caneta pode escrever qualquer coisa, boa ou ruim. Normalmente, ninguém liga muito se ela funciona. Mas, quando ela falha...
Esse post foi publicado em Poesias Abstratas e marcado , , . Guardar link permanente.

2 respostas para grandessíssimo titubeador.

  1. Thahy disse:

    e pensar q eu não entendi

  2. David Nishimura disse:

    poutz….q brisa loka essa…

    aposto que já fez isso com outras músicas…hauhauahauhaua

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s