video game I.

Já era a segunda vez que Guilherme lustrava o sapato e se encarava no espelho. Conferia cada detalhe e sempre acabava olhando para o relógio.

Acertou o nó da gravata (que nada tinha de errado) e vestiu o terno. Apenas um dos três botões foi fechado.

Fez um sinal com a mão e foi prontamente atendido por um rapaz que discretamente protegeu o traje de Guilherme com uma capa e só então buscou uma cadeira.

Guilherme se sentou e o rapaz iniciou o procedimento. Como o rapaz tinha movimentos leves e suaves, Guilherme mal percebeu quando este aproximou sua mesa de instrumentos.

Curioso, Guilherme quebrou o silêncio:

_ Qual é seu nome?

Recebeu pelo espelho um olhar de reprovação por aquela que parecia a mais inadequada das atitudes. Mas, ao menos, obteve alguma resposta:

_ Neste ramo, evitamos nomes ou qualquer outra referência que posso levar um de nós ao outro. Só o fato de você conhecer o meu padrão vocal já vai me dar a maior dor de cabeça… – meneou a cabeça enquanto pegou uma espécie de pincel e ordenou – Feche os olhos.

Guilherme obedeceu e lamentou:

_ Me desculpe. É que num momento desses a gente…

_ Não tem problema. Infelizmente isso é muito, muito comum. Agora relaxe e feche a boca.

O rapaz aplicou rapidamente um pincel sobre seus lábios cerrados e, em seguida, um maior e mais macio sobre todo o rosto. Porém usando outra substância.

_ Você está certo de que ninguém…

_ Estou. Somos profissionais. A substância reage apenas à sua pele. Fizemos a lição de casa.

O rapaz se afastou e só então Guilherme soube que poderia abrir os olhos. Mas mal pode acreditar neles, quando se olhou no espelho:

_ Impressionante.

Aproveitou para olhar o relógio mais uma vez. Levantou-se e retirou a capa. Analisou o traje uma última vez no espelho, evitando olhar seu rosto e também suas mãos. Ficou surpreso ao ser indagado.

_ Então… como soube de nós?

_ Um de meus devedores.

_ Oh!

_ Fique tranqüilo. – amenizou – Vocês não falharam, apenas deveriam escolher melhor os seus clientes.

_ Como?

_ O idiota não devia só pra mim. Acabaram percebendo que ele vinha ver a família freqüentemente. Acabou morto pela saudade.

_ …

_ Seria poético se não fosse estúpido.

_ Então ele…

_ Não teve tempo de dizer nada. Dois homens, um tiro, nenhuma chance. Foi só ligar os pontos. Ele não era bom o suficiente para fazer isso sozinho.

_ Parabéns pela perspicácia.

_ Obrigado.

Guilherme não percebeu quando o rapaz apanhou uma seringa sobre a mesma mesa. Não usou muito do conteúdo da ampola.

_ Durma, Guilherme. Ressuscitaremos você antes do terceiro dia.

_ O que está dizendo?

_ Tenha uma boa noite.

Antes de sucumbir em silêncio, Guilherme olhou uma última vez para o relógio. Certamente, não ouviu quando o rapaz disse:

_ Hora do óbito: 14h37.

(continua…)

Anúncios

8 comentários em “video game I.

  1. vou passar o fim de semana curiosa 😦 [2]

    hahahaha

    e olha que cheguei aqui aleatoriamente (y)

  2. deus do céu, que medo !!

    acredite se quiser, mas só vi teu comentário no meu blog agora, DEPOIS de comentar aqui ! 😮

    “as coincidências fazem parecer uma homenagem.” – quanta verdade…

  3. Gostei demais do texto! (só para variar)

    Estou mudando os teus links…

    ah, ótima escolha o wordpress…

    beijos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s