na mira.

Pintei um alvo na minha testa
Pra atrair bala perdida
Pra não me perder por entre as balas

Pintei um alvo na minha testa
Pra ser vítima inocente
E não covarde suicida

Pintei um alvo no meu peito
Pra andar sem camisa

Pintei um alvo nas minhas costas
Pra ser traído e enganado

Pintei um alvo na capital
Pra orientar terrorista

Pintei alvos em toda parte
Pra não mais mirar você.

Anúncios

Sobre bic azul

Uma caneta pode escrever qualquer coisa, boa ou ruim. Normalmente, ninguém liga muito se ela funciona. Mas, quando ela falha...
Esse post foi publicado em Poesias Abstratas e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para na mira.

  1. thahy disse:

    hmmmm…

    música

    eu ouvi, e vc?

  2. Mamendes disse:

    As vezes penso o quanto nossa raiva ou falta de esperança afeta na percepção da violência. Penso isso porque muitos anos atrás diz-se que a violência saiu do nosso controle; desde então a gente só lamenta.

  3. Mirar as coisas
    mirar as pessoas,
    mirar o mundo que me rodeia,
    mirar a alma, a vida,
    mirar o futuro e ser feliz.
    É o que me basta!

    CAUROSA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s