da rotina.

Autofalantes chiam interferência
Enquanto velhos falam sem parar
O rio não dá sinais de sobrevivência
Os trilhos parecem um bom lugar

O sol vêm brilhar alguma felicidade
E quando um alarme é soado
Deslizo pela cidade em alta velocidade
Abafado, por um ar condicionado

Encaro rostos desconhecidos
Repletos de traços e marcas
Não dá pra reconhecer os inimigos
Embaralhados feito cartas

Me dê alguma supresa
Diga algo que eu não sei
Me mostre alguma beleza
Rasure os planos que eu tracei

Sobre bic azul

Uma caneta pode escrever qualquer coisa, boa ou ruim. Normalmente, ninguém liga muito se ela funciona. Mas, quando ela falha...
Esse post foi publicado em Crônicas do Cotidiano, Poesias Abstratas. Bookmark o link permanente.

4 respostas para da rotina.

  1. Fê_Notável disse:

    Queria tanto encontrar alguém que pudesse me rasurar!

    Beijos =*

  2. Olivia disse:

    Esqueceu de colocar: Estação Sé!!!!!!

  3. (marta) disse:

    eh..tem vezes que na minha rotina tudo grita por uma surpresa…

    ;*

  4. Ana disse:

    Uau, peço desculpas pela invasão mas não pude deixar de comentar ao ler um poema tão fantasticamente elaborado quanto este, simplesmente passou a ser um dos meus preferidos…Obrigada!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s