felizes por acaso.

Este poema
Não suscita discurso ou dilema
Não é solução nem problema

Este poema saiu atrasado
Escrito sob a luz do sinal fechado
Que fez do papel branco, rosado

Quer ser sintoma de tempos fugazes
De remédio para gazes
De envelhecer novos ares

De distração e correria
De escravidão do dia a dia
De reunião de família
Só em morte de tia

De drops de notícias e de hortelã
De sair sem café-da-manhã
De deixar estragar a maçã

Este poema saiu de moda
Tentou reinventar a roda
Sem oferecer uma boa nova

Este poema passou do ponto
Antes mesmo de ficar pronto
Pobre poema! Não vale um conto.

Este poema pode estar errado
E pode ser denunciado
Apenas porque diz, velado
Que vivemos só no intervalo

Fala da caminhada ao longo do lago
Por conta de um pneu furado

De ver sessão da tarde em dia de semana
Só porque a gripe botou de cama
De um encontro por acaso com alguém que se ama

Poema fora de compasso!
Vê problema no embaraço
De pedir um segundo a mais de abraço

Que é bom encontrar um amigo ou ente
Enquanto espera pelo pão quente
De pensar na vida ao escovar os dentes

E pede a pausa pro café
Faz brigadeiro de colher
Diz pra fazer o que se quer

Anúncios

3 comentários em “felizes por acaso.

  1. Reinventando o poema… atualizando-o em sua forma clássica. Essa Bic Azul ainda vai dar muito o que escrever. Parabéns por mais esse 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s