lá e cá.

Sobre o mar aberto
Sob um céu fechado
O pensamento vaga
Enquanto o corpo se ocupa

Tudo se revela com clareza
Na câmera escura
Feito uma fotografia do futuro
Que se passa como memória

É como reflitir
Ainda que no espelho
É agir sem pensar
Ou assistir acontecer

Querer é tão humano
Buscar é tão automático
Quanto desistir
na menor dificuldade

Tudo isso
Nos aproxima e distancia
Na mais perfeita simetria
Na mais perfeita dictomia

Nada disso
Da poesia ao dia a dia
Há um traço, um ponto
Que vai ou que fica
E qual será?

Todo feito é imediato
Quase sempre fugaz
Todo discurso memorável
é só lembrança e nada mais.

Sobre bic azul

Uma caneta pode escrever qualquer coisa, boa ou ruim. Normalmente, ninguém liga muito se ela funciona. Mas, quando ela falha...
Esse post foi publicado em Poesias Abstratas e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s