já percebeu?

A gente anda tão distraído
Que não lembra mais
Onde estacionou
Onde tudo começou

Como se machucou

E nem sabe como fez
esse roxo aí braço
E que aquela despedida
não teve nenhum abraço

Tão distraído que não vi você aí
Na festa
No face
Na faixa
de pedestres

Onde eu coloquei aquele papel?
Onde eu salvei aquele arquivo?
Onde eu deixei aquele
amigo?

Trabalho duro ou coração duro?
Rotina tensa ou vida intensa?
Preguiça ou… sei lá, outra coisa.

Tudo, nada.

Mas também tem eles
Entorpecentes
Químicos ou eletrônicos
Pra tirar a gente da realidade
Da consciência
Da convivência

Da dor

Do amor.

Anúncios

Sobre bic azul

Uma caneta pode escrever qualquer coisa, boa ou ruim. Normalmente, ninguém liga muito se ela funciona. Mas, quando ela falha...
Esse post foi publicado em Crônicas do Cotidiano, Poesias Abstratas e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s