de passagem.

Essa noite, sonhei acordado.
Eu podia viajar no tempo.
E eu, tolo, fui ao passado.

Imaginei que podia estar lá, do mesmo jeito que me lembro do que aconteceu.
Como cada palavra daquele diálogo ainda estava na minha cabeça.
E como eu pude errar tanto sem saber que errava.

Como eu quis voltar e dizer a coisa certa!
E logo estava ali, depois, aproveitando os louros disso.

Então percebi que não podia viver mais aqueles momentos com a riqueza de antes porque tinha saído da máquina do tempo chamada memória. Agora, vagava no túnel onírico e traiçoeiro da imaginação.

Busquei fatos. Fotos. Forças.

Tudo que pudesse alimentar o insaciável apetite do “e se…”.

Em vão.

Passou.

A luz no fim do túnel era branca. Intensa.

Era uma lâmpada de led rosqueada no lustre. Desembarquei na estação realidade, recebido por uma pulsação forte, uma cadeira dura e um clima bem frio.

Respiro.

Escrevo.

Ainda é tarde e tenho medo de ir dormir, porque nos sonhos do sono, não há limites entre túneis e estações.

Nem trilhos para saber aonde vou chegar.

Estranhamente, anseio pela viagem ao mesmo tempo em que temo nem sair do lugar.

Anúncios

Sobre bic azul

Uma caneta pode escrever qualquer coisa, boa ou ruim. Normalmente, ninguém liga muito se ela funciona. Mas, quando ela falha...
Esse post foi publicado em Contos Absurdos, Crônicas do Cotidiano, Poesias Abstratas e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s