Arquivo do autor:bic azul

Sobre bic azul

Uma caneta pode escrever qualquer coisa, boa ou ruim. Normalmente, ninguém liga muito se ela funciona. Mas, quando ela falha...

de passagem.


Essa noite, sonhei acordado. Eu podia viajar no tempo. E eu, tolo, fui ao passado. Imaginei que podia estar lá, do mesmo jeito que me lembro do que aconteceu. Como cada palavra daquele diálogo ainda estava na minha cabeça. E … Continuar lendo

Publicado em Contos Absurdos, Crônicas do Cotidiano, Poesias Abstratas | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

já percebeu?


A gente anda tão distraído Que não lembra mais Onde estacionou Onde tudo começou Como se machucou E nem sabe como fez esse roxo aí braço E que aquela despedida não teve nenhum abraço Tão distraído que não vi você aí … Continuar lendo

Publicado em Crônicas do Cotidiano, Poesias Abstratas | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

ou.


Esse ou aquele Assim ou assado Esquerda ou direita De longe ou ao lado? Decida-se De si sempre seja Morde ou assopra Cospe ou engole Ser ou não ser Duro ou mole? Escolha E colha o que plantou Entre lá … Continuar lendo

Publicado em Contos Absurdos | 2 Comentários

o escritor e o pernilongo.


Vida de escritor não é fácil. Você pode fazer qualquer coisa, desde que escreva. E se você precisa escrever, não dá pra ficar fazendo qualquer coisa. O fato é que, quando um escritor apanha uma ideia, ele sabe que precisa … Continuar lendo

Publicado em Contos Absurdos, Crônicas do Cotidiano | Marcado com , , , , , , , , | 2 Comentários

de existir.


Desistirtá erradoAté na grafia Veja aío contrário do sonhadode tentar mais um dia deveria ser desexistir

Publicado em Contos Absurdos | 1 Comentário

resumindo.


_ A história é essa: ela lembraria dele para sempre. Bastava que ele não lhe negasse seus adorados cookies. _ Ele era cozinheiro? _ Não. _ Ela era pobre? _ Não e não. Ela era uma página de internet e … Continuar lendo

Publicado em Contos Absurdos, Crônicas do Cotidiano | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

sua síntese.


Eu escrevi uma canção de amor Eu escrevi um conto de amor Eu escrevi uma declaração de amor em forma de conto E já escrevi tantos poemas de amor que nem me lembro mais quantos são Não sei dizer Quantas … Continuar lendo

Publicado em Poesias Abstratas | Marcado com , , , | 3 Comentários