Arquivo do autor:bic azul

Sobre bic azul

Uma caneta pode escrever qualquer coisa, boa ou ruim. Normalmente, ninguém liga muito se ela funciona. Mas, quando ela falha...

já percebeu?


A gente anda tão distraído Que não lembra mais Onde estacionou Onde tudo começou Como se machucou E nem sabe como fez esse roxo aí braço E que aquela despedida não teve nenhum abraço Tão distraído que não vi você aí … Continuar lendo

Publicado em Crônicas do Cotidiano, Poesias Abstratas | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

ou.


Esse ou aquele Assim ou assado Esquerda ou direita De longe ou ao lado? Decida-se De si sempre seja Morde ou assopra Cospe ou engole Ser ou não ser Duro ou mole? Escolha E colha o que plantou Entre lá … Continuar lendo

Publicado em Contos Absurdos | 2 Comentários

o escritor e o pernilongo.


Vida de escritor não é fácil. Você pode fazer qualquer coisa, desde que escreva. E se você precisa escrever, não dá pra ficar fazendo qualquer coisa. O fato é que, quando um escritor apanha uma ideia, ele sabe que precisa … Continuar lendo

Publicado em Contos Absurdos, Crônicas do Cotidiano | Marcado com , , , , , , , , | 2 Comentários

de existir.


Desistirtá erradoAté na grafia Veja aío contrário do sonhadode tentar mais um dia deveria ser desexistir

Publicado em Contos Absurdos | 1 Comentário

resumindo.


_ A história é essa: ela lembraria dele para sempre. Bastava que ele não lhe negasse seus adorados cookies. _ Ele era cozinheiro? _ Não. _ Ela era pobre? _ Não e não. Ela era uma página de internet e … Continuar lendo

Publicado em Contos Absurdos, Crônicas do Cotidiano | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

sua síntese.


Eu escrevi uma canção de amor Eu escrevi um conto de amor Eu escrevi uma declaração de amor em forma de conto E já escrevi tantos poemas de amor que nem me lembro mais quantos são Não sei dizer Quantas … Continuar lendo

Publicado em Poesias Abstratas | Marcado com , , , | 3 Comentários

lá e cá.


Sobre o mar aberto Sob um céu fechado O pensamento vaga Enquanto o corpo se ocupa Tudo se revela com clareza Na câmera escura Feito uma fotografia do futuro Que se passa como memória É como reflitir Ainda que no … Continuar lendo

Publicado em Poesias Abstratas | Marcado com , , , | Deixe um comentário